A succão do polegar entre as crianças é um hábito muito comum, assim como o uso da mamadeira, da chupeta e outros que podem proporcionar os mesmos tipos de problemas. Por isso, ele deve ser evitado e combatido desde o seu aparecimento para que não cause problemas à dentição do bebê.

As principais conseqüências deste hábito são:

  • Projeção do osso maxilar para frente (protrusão);
  • Projeção dos dentes incisivos superiores;
  • Inclinação para trás dos incisivos inferiores;
  • Deformação do palato duro (céu da boca);
  • Os dentes anteriores (incisivos superiores e inferiores) ficam inibidos para nascerem;
  • A língua fica colocada erradamente no assoalho da boca e sobre a superfície dos dentes;
  • A arcada superior fica mais estreita;
  • Ocorre um afastamento exagerado entre os dentes anteriores (diastema), tanto superiores quanto inferiores;
  • O lábio superior fica com pouca mobilidade, enquanto o inferior, ao contrário, fica mais alto.

Até os dois anos de idade, a criança tem a sua maior satisfação na sucção do polegar.
Porém, o grande perigo é que o hábito se torne um vício. Por isso é preciso promover o abandono do hábito gradativamente para evitar desequilíbrio psicológico na criança. Desta forma, a atitude mais recomendada é o acompanhamento de um psicólogo e, em alguns casos, da fonoaudióloga para explicar à criança, de uma maneira criativa e cuidadosa, os malefícios que este hábito traz.

Por Drª. Paulene Cardoso, Ortodontista, Mastercoach, Palestrante de Ortodontia Multidisciplinar e Hábitos Saudáveis, autora do livro “Talentos que transformam Hábitos“.

Compartilhar: