O que expressa o Roer as unhas?

Roer unhas pode ser uma imitação dos pais, do irmão ou de um amiguinho da escola, ou pode ser ansiedade ou situação de tensão e ansiedade, tédio, o cansaço e o estresse. Pouca atividade ou em excesso são prejudiciais.

Algumas dicas auxiliam os pais a ajudar os filhos a cessarem o roer de unhas. Uma das mais importantes é não reforçar. Portanto, não adianta chamar a atenção ou dar bronca quando a criança estiver roendo a unha. Com isso, os pais chamam a atenção para o hábito, reforçando-o, dando a atenção que toda criança gosta – mesmo sendo uma advertência. Que coisa, né?
Castigos, colocar pimenta ou outra substância amarga nos dedos também não resolve. Para a criança, parece que os pais estão punindo-a. Não há motivo para punição, já que roer as unhas é um ato compulsivo e não porque a criança quer.

Se os pais perceberem que os filhos roem as unhas em momentos de tensão, evite que assistam a filmes ou desenhos que contenham perseguições, suspenses ou terror.
Driblando esse mau costume: – A melhor maneira de acabar ou diminuir a oniofagia é conversar e conscientizar a criança sobre o mau hábito. Dizer que é perigoso para a saúde, já que as unhas estão normalmente sujas e pode entortar os dentes. A criação de gestos para ser usado na frente de outras pessoas que só você e o seu filho saibam para que ele retire a mão da boca é importante para que não se sinta envergonhado.

Realizar atividades relaxantes com a criança e oferecer um espaço para que expresse seus medos, angustias e dúvidas são muito importantes. Promova elogios a todas as atividades que a criança consiga realizar e incentive as que não consegue. Nunca deprecie ou humilhe na frente de outras pessoas.
Se a criança estiver roendo as unhas, não chame a sua atenção. Simplesmente lhe dê um brinquedo, peça para que te ajude em alguma atividade ou peça para que cantem uma música juntos. A criança sem perceber cessará o hábito.

A preocupação pode aumentar quando a criança rói as unhas e ainda apresenta um comportamento incomum, como agressividade, medos exagerados, choro e baixa tolerância a frustração. Nesses casos, é melhor procurar ajuda especializada de um psicólogo, pois mostra que a criança não está conseguindo sozinha resolver seu conflito.

CALENDÁRIO DO SUCESSO apoia mudar hábitos de roer unhas como?

1. Antes de tudo, reconheça que roer as unhas não é um hábito saudável e que outros problemas emocionais e psicológicos estão por trás desse simples ato.
2. Deseje intensamente um novo hábito.
3. Marque no calendário o dia em que iniciará o processo de parar de roer as unhas.
4. Tenha sempre algo que possa mastigar quando te der aquela vontade louca de roer as unhas. Pode ser um chiclete, bala ou frutas cristalizadas.
5. Como na maioria das vezes, assistir TV é o momento em que as pessoas mais roem as unhas, o ideal é que levem consigo um cubo mágico ou uma bolinha massageadora para que ocupem as mãos na hora de assistir seu programa preferido.
6. No primeiro mês, vá à manicure semanalmente ou você mesma faça suas unhas (como pintar as unhas em casa). Com elas pintadinhas e bem tratadas, torna-se mais difícil querer colocá-las na boca e desfazer todo cuidado que nela foi feito.
7. Respire sempre bem fundo toda vez que vier a vontade de roer as unhas. Isso ajudará aliviar a tensão e ansiedade que te leva a acabar com suas unhas.
8. Descarregue toda sua ansiedade de outra maneira. Pratique atividades físicas como caminhar, dançar, nadar ou simplesmente se alongar diariamente.
9. Se achar necessário, procure o auxilio de uma psicóloga para te acompanhar nesse processo de parar de roer as unhas e te ajudar a lidar com os problemas emocionais envolvidos.
10. Defina uma meta a ser cumprida por você. Escolha uma data no calendário para que você comemore a vitória de ter superado o hábito de roer unhas. Nesse dia, vá à manicure, passe um esmalte maravilhoso e se presenteie com um lindo anel. Afinal você merece!

Por Drª. Paulene Cardoso, Ortodontista, Mastercoach, Palestrante de Ortodontia Multidisciplinar e Hábitos Saudáveis, autora do livro Talentos que transformam Hábitos

Compartilhar: